domingo, 29 de janeiro de 2012

Time!

Tantas suposições, e versos, de desleixo, jogados ao vento, entre brechas criadas por mentes perturbadas e que anceia o momento na qual perderam tempo imaginando e criando seu espaço, em meio a conflitos, a desilusões.Tempo estranho, tempo inverso, desde o começo o posto do que sempre esperou, do que sempre desejou.Tudo como voltas e ondas, levando ideias e trazendo acontecimentos, seguindo uma vez ou outro o padrão, o desejado.Outras vezes pegando de flagra, desmoronando, derrubando a muralha que sempre o protegeu, que sempre acreditou ser existente,mas que no fim não passava de um medo de continuar caminhando, de encarar.Um vai e volta, caminhando em corda bamba,vivendo e revivendo a situação, o momento, a agustia da espera, do acreditar e ver partir.Ir contra o obvio, tampar a realidade com um simples toque de desejo, de vontade que nunca possuiu, que nunca achou que poderia ter, sendo que nem mesmo este pode ser explicado.